quarta-feira, 4 de maio de 2016

REVIEW: "Capitão América: Guerra Civil"


FICHA TÉCNICA:
Realizadores: Anthony e Joe Russo
Intérpretes: Chris Evans, Robert Downey Jr., Scarlett Johansson, Sebastian Stan, Jeremy Renner
Género: Acção/Aventura
Duração: 2 horas e 25 minutos

SINOPSE:
Quando o governo coloca um membro a supervisionar Os Vingadores após mais um incidente que resulta em danos colaterais, a equipa divide-se em dois campos - um liderado por Steve Rogers (Evans) e pelo seu desejo de manter o grupo de vigilantes livre para defender a Humanidade sem quaisquer interferências e o outro por Tony Stark (Downey Jr.), que toma a surpreendente decisão de apoiar a supervisão e responsabilidade governamental.



O VEREDICTO:
Após o extraordinário «Capitão América: O Soldado do Inverno» - de longe, o nosso filme Marvel favorito até ao passado dia 28 de Abril - os irmãos Russo tinham uma tarefa hercúlea em mãos (bem, uma não, duas): fazer ainda melhor que no capítulo anterior e provar que Kevin Feige - o CEO dos estúdios Marvel - não se equivocou quando os escolheu para suceder a Joss Whedon na direcção das partes 1 e 2 de «Avengers - Infinity War».

Quanto ao primeiro ponto, podemos dizer que o filme de 2014 tem aqui um parceiro à altura - nem melhor nem pior, apenas diferente, com um budget bem mais "musculado" e, por isso mesmo, com mais e melhores sequências de acção... mas sem nunca deixar que estas desviem as atenções do enredo - e não, Feige, definitivamente, não se enganou.


«Capitão América: Guerra Civil» é, não só, um festim para os olhos - o filme começa com uma cena absolutamente espantosa no reino fictício de Wakanda, o lar de T'Challa/Pantera Negra e, sem se deter, segue para um autêntico festival de explosões, efeitos especiais de ponta, perseguições e lutas extraordinariamente coreografadas - como tempera a vertente do espectáculo com uma narrativa fantasticamente arquitectada - obra de Christopher Markus e Stephen McFeely, que deram um cunho muito pessoal à série de comics homónimos criados por Mark Millar em 2006 e 2007 - que coloca a cabeça do espectador à roda e repleta de incertezas, questionando sobre quem tem razão do quê e qual dos lados deve efectivamente apoiar.

Quanto às personagens que vão pululando pelo grande ecrã, destaque óbvio para as novidades Tom Holland (aka Peter Parker/Homem-Aranha) e Chadwick Boseman (T'Challa/Pantera Negra), que "roubam" todas as sequências em que aparecem (e não são poucas) com uma facilidade assinalável, confirmando-se como duas excelentes adições ao universo cinematográfico Marvel. Já sobre Chris Evans e Robert Downey Jr., o duo protagonista deste «Capitão América: Guerra Civil», o que dizer? Vão (re)confirmando a cada nova longa-metragem quão acertada foi a sua escolha para os papéis de Steve Rogers e Tony Stark, respectivamente. Uma palavra igualmente para o fantástico elenco de "secundários", do qual fazem parte Scarlett Johansson, Sebastian Stan, Anthony Mackie, Don Cheadle, Elizabeth Olsen - a vigorosa Feiticeira Escarlate brilha a grande altura, tendo direito a algumas das melhores cenas do filme -, Jeremy Renner, Paul Rudd, Paul Bettany, Emily VanCamp, Daniel Brühl - com uma presença forte apesar de temporalmente limitada como o vilão Barão Zemo -, William Hurt e Frank Grillo, que passou com distinção este difícil "teste".


Os estúdios Marvel apostaram todas as fichas em «Capitão América: Guerra Civil» para fazer esquecer a semi-desilusão que foi «Vingadores: A Era de Ultron» (2015) e, com todo o empenho, dedicação e carinho que colocaram neste projecto, acabaram por nos presentear com um prodigioso e inolvidável evento cinematográfico que, garantidamente, arrecadará milhões e marcará presença nas listas de melhores do ano de uma larga maioria de fãs da Sétima Arte. Na nossa, estará com toda a certeza!

NOTA (0 A 5):
5

Enviar um comentário